Avançar para o conteúdo principal

Ê nã vou dizê nada...

"Uma loira boazona ia matar-se, atirando-se ao rio Sado com um peso à cintura, quando aparece um marinheiro:
- Eh, pá, miúda, não faças isso!
- 'Sim! Vou atirar-me! A minha vida é uma desgraça!'
- 'Não faças isso! Olha, o meu navio está de partida para o Brasil. Porque é que não vens comigo e pensas melhor durante a travessia? Chegando lá, se ainda te quiseres matar, pelo menos ficaste a conhecer o Brasil.'
A loira achou a proposta razoável e seguiu com ele para o porão do barco, onde viajaria clandestinamente.
Durante duas semanas o marinheiro visitava a loira à noite, levava-lhe comida e água e dava-lhe uma queca.
Todos os dias, comida, água e pimba.
Um dia, o comandante fez uma inspecção ao porão do navio e descobriu a loira.
Ela não teve outra alternativa senão contar-lhe a verdade:
-'Sabe, Sr. Comandante, eu estou aqui a viajar para o Brasil, porque um marinheiro salvou-me da morte. Todas as noites ele traz comida e água e, como agradecimento, eu deixo-lhe dar-me uma queca. Fizemos este acordo até chegarmos ao Brasil. Ainda falta muito para lá chegar?'
- Não sei, menina. Mas enquanto eu for Comandante, este barco faz a travessia Setúbal – Tróia e volta."*


ehehehehe
(louvade)

* by mail

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Em casa#3

Aproveitei o feriado de quinta-feira para fazer ponte e ficar 4 dias em casa. Precisava de descansar, de dormir e fazer coisas em casa, com calma, tempo e disponibilidade. Depois de um jantar ontem bem divertido, hoje o corpo precisou de sofá, de sonos curtos, de gatos dorminhocos e do aconchego do outono em casa. Entre todo este programa extenso de sábado, vi dois filmes e gostei. Um mais pragmático, outro mais sentimental. O Chris Evans nunca desilude. :) Para amanhã, espera-se algum exercício físico, preparação de refeições para a semana e trabalhar o psicológico para a semana que se avizinha.

Em casa#8

É a palavra que define os últimos meses. Não que as obras tenham durado muito tempo, mas como os mestres não trabalharam a tempo inteiro, a coisa arrastou-se. Acabaram este fim-de-semana e estou desde sábado a limpar, sim por mais que limpe, vejo sempre pó. Estivemos uma semana em casa da minha mãe (eu e os gatos), na fase das pinturas e rodapés, e por isso foi mais fácil limpar o maior, sem que eles estivessem por perto. Domingo à noite regressamos todos e faltam apenas alguns apontamentos de decoração, para que possa fechar esse capítulo. Se já gostava da minha casa, agora estou verdadeiramente apaixonada por ela e por cada divisão. Fotos para muitoooooo breve.

Em casa#4

Estão dois gatos sempre à minha espera. É raro quando não estão atrás da porta quando chego e só sossegam depois de lhes deitar comida e lhes fazer uma festa na cabeça. A mimi já está comigo desde maio de 2016, o faísca só em junho deste ano, e tenho por eles um amor enorme. A mimi veio cá para casa depois de ter terminado um relacionamento e porque achei que a casa estava demasiado silenciosa.  Cuidar dela, alimentá-la, dar-lhe colo, salvou-me.  A decisão de adoptar mais um gato só aconteceu porque passo muitas horas fora de casa e não era justo para ela. O faísca é a nossa dor de cabeça, mais rebelde e desassossegado. Nunca tenho a casa arrumada e limpa por muito tempo, mas tenho um lar, e mais do que animais domésticos, são como família, porque recebo tanto quanto dou.